sexta-feira, 12 de abril de 2013

Caixa da Memória

E daí você olha para trás e sua vida inteira cabe em uma caixa.

Todas as dúvidas.

Todos os medos.

Todo o amor e experiências.

É como adentrar uma sala que era proibida quando você ainda fazia parte da infância.

Não é assombrada.

Não é assustadora.

É só uma sala cheia de coisa velha. E a vida também não é?

Um lugar apertado com as luzes acesas.

Ficar velho é como ler um livro... O mistério das páginas futuras desaparece enquanto você avança para o final.

Vai funcionar?

Ele vai ligar?

Vai chover?

Essas já nem são mais perguntas. São todas uma afirmação do tempo nessa infinita linha da existência (de algo ou qualquer coisa).

8 comentários:

Guacira Maciel disse...

Quando a gente desiste das perguntas, não apenas fica sem as respostas, fica também sem esperança...

É importante manter esse elo cm a vida; eu não desisto!
Gostei do seu Blog, abraço.

gpoetica

Suellen Andrade disse...

"Ficar velho é como ler um livro... O mistério das páginas futuras desaparece enquanto você avança para o final." Gostei, mas acho que tudo deve ter um outro lado, um lado mais bonito do que é a velhice. Adorei seu blog.

DE-PROPOSITO disse...

Deambulei por aqui.
E desejo felicidades.

Manuel

Nau disse...

(:

Nau disse...

ótimo

Luís Gustavo Brito Dias disse...

A velhice é sinônimo de sabedoria.
trazemos estampados na face as páginas lidas e experienciadas.
porém, não terminamos na velhice... como você disse, continuamos na infinita linha da existência.

Morangos atômicos disse...

De uma maneira totalmente aleatória parei no seu blog e achei muito bom.
Você escreve coisas de um modo muito bonito! adorei! =)

Mari Carazolli disse...

Amei *-*
lindo blog.
Seguindo aqui ^^
passa lá: http://maricarazolli.blogspot.com.br/