sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O enterro

E se foi.
Do mesmo jeito que chegou,
Como se nunca estivesse aqui.

E morreu.
Do mesmo jeito que nasceu,
Como se nunca quisesse que estivesse aqui.

E dói.
Do mesmo jeito que doeu,
Como se fosse difícil aceitar de volta a condição de isolamento.

E arrancou.
Do meu coração a metade,
Só pra não me deixar esquecer que, um dia, aquilo foi tudo o que eu sempre quis.

2 comentários:

Bruna Santana Oliveira disse...

Gostei... Você fala das coisas de maneira legal.

Beijos, vou seguir,

Bruna.

p.s.: passe no meu.

Aline Cruz disse...

Ameii... texto lindo demais, eo blog é uma graça...

Estou seguindo...

bjks!

http://ocantinhodaline.blogspot.com/