sábado, 30 de janeiro de 2010

Bolha de Sabão

É quando uma pessoa mistura água da chuva e raios de sol dentro de um copo e assopra as cores do arco-íris em forma de esfera usando um canudo de plástico.

Cristal Líquido

É quando eles pegam um cristal, derretem até ele virar uma bolha e depois assopram todas as cores do mundo dentro dele com um canudo de vento.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

40 Graus

Se foi há um tempo. Há uma eternidade para mim. O que há com as areias do Rio de Janeiro, que sempre fazem com que as pessoas afundem seus pés lá e não mais voltem? O que há com o calor que o inferno mandou para cima, que faz com que os visitantes estrangeiros não se importem em ter seus cérebros fritos enquanto passeiam? E o bronzeado, o que tem naquele sol que faz com que os garotos e garotas reflitam a luz como um espelho cor de óleo queimado? O que há naquelas pessoas para pegarem um bem precioso e o arrastarem para longe?

Eu sinto falta, ainda que só faça um mês. Uma falta grande, como o Cristo Redentor. Uma saudade que cresce como sobem os bondinhos pelo Pão de Açúcar. Foi-se para sempre, ou ainda volta para os ares frios do Sul?

Te espero com um casaco pesado e um sorriso no rosto, o mesmo sorriso de quando falamos de doces caseiros.

Beholder

Talvez ela nem se lembre mais de como começar um novo texto. Talvez nem recorde como começar uma conversa ou talvez uma amizade. Com certeza não lembra de como se beija alguém. Na face, nos olhos. Onde estão aqueles olhos?

Os olhos sensíveis às nuances de cor e sentimento, que se arrastavam sob os céus de fim de tarde como ondas em um mar interno e invisível. Os olhos esmagados atrás das pálpebras toda vez que ela achava graça, os gotejantes globos de dizer adeus, que transformavam seus olhos castanhos em um lamaçal denso. Os enjoados olhos de amor e os turvos de ódio - os sentimentos vermelhos. Onde estão todos eles?

Se foram? Secaram? Talvez tenham viajado em busca da diferença. Em busca de espasmos cintilantes mais ténues. Talvez atraídos pelas luzes néon de algum outro lugar. Apaixonaram-se pelo verde das garrafas refletindo ruas encharcadas. Não as mesmas ruas que viam por aqui. Provavelmente estão atrás de pores-do-sol mais extensos do que os que existem no teto de sua cela.

Foram-se por falta de amor ou por falta de amar? Ah, aqueles olhos... Agora que se foram, levaram com eles a menina que eu conheci um dia, e deixaram outra com buracos na face.

Eu te prometi um pôr-do-sol.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Cinema

É bom ver como as pessoas estão mudando seus hábitos. Eu principalmente, que sempre chego tarde, fui a primeira a me sentar.

Trinta minutos antes.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Neve

As nuvens tem deslizado pelo céu, como cubos de gelo sobre um rio congelado.