domingo, 4 de janeiro de 2009

Um Cordão e Dezesseis Dúzias de Penas

Os dias são espelhos nas últimas semanas: exatamente iguais. Talvez difiram na cor de um carro que passa, ou dois, mas no mais são idênticos. As mesmas pessoas, as mesmas atitudes. Até os diálogos são iguais. Vazios e robóticos.

Meus sonhos começaram a refletir a realidade. Mesmo dormindo, sonho que estou presa, mas fugindo. Talvez por dentro eu seja bem mais rápida e forte do que eu aparento ser. Queria minha atitude inconsciente 24 horas por dia, porque, ultimamente, as mensagens processadas enquanto eu durmo são mais racionais que as pensantes, com os olhos abertos, ainda que distantes.

Eu sou um passarinho em uma gaiola, mãe, abre a porta pra mim, vai.

Um comentário:

Carmen disse...

É preciso que se permita que nossos anseios e vontades tomem formas e criem asas, desta forma não precisarás que ninguém te abra portas, elas simplesmente se abrirão.
TE AMO

Beijaoooooo