segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Revolta Armada

Sou a favor do super caso das coisas.

Por exemplo, um cachorro atropelado poderia sair no jornal ao invés de ser apenas jogado na beira da estrada, ou quem sabe os teus primeiros passos serem eternizados na calçada da fama, ou o teu primeiro sorriso ser documentado no Discovery Channel, ou até mesmo tua primeira paixão poderia se tornar um filme sucesso de bilheteria.

O pôr-do-sol que a gente vê todos os dias poderia ser como um horário eleitoral, em que em todos os canais estivesse passando a mesma coisa e fosse quase que obrigatório ser assistido por milhares e milhares de pessoas do mundo todo, com transmissão em tempo real e talvez até a tela dividida em várias telinhas com vários outros pores-do-sol ao redor do globo. Quem sabe isso não faria das pessoas algo mais... sensível?

Eu não acredito que viver vendo TV seja desperdício de tempo, não mesmo, a televisão tem muito o que ensinar, mas acho que existem coisas mais saudáveis que se poderia estar fazendo ao invés de ouvir ideias transmitidas de uma forma que não se deixa transparecer de que lado realmente se está jogando. A televisão ajuda a destruir egos desde 1929, talvez até um pouco depois. E não só a TV, mas as revistas desde que começaram a criar padrões de beleza. Ninguém estava nem aí de ser gordo há 100 anos atrás, pelo contrário, gordura era tido como algo bonito. Mas esse não é o ponto aqui, a questão é a perda de valores, sensibilidade e, principal e lamentavelmente, a perda de metas.

As pessoas aprenderam a palavra mágica 'tudo bem' e descobriram que se acomodar era muito mais fácil que lutar, que perder não é assim tão mau e que o governo tem o poder mal distribuído, mas e daí? Fulaninho foi encontrado queimado e com um cadeado na boca, mas deixa, é briga de gang mesmo! Acho que a TV não seja desperdício de tempo, pela segunda vez, mas acredito que ela serve de alavanca para a banalização dos problemas. Ela mostra todos os dias algo sobre os direitos do cidadão, mas como exercê-los? Na novela, ninguém se opõe ao governo, ninguém luta pelos seus direitos. O que nos falta não é estudo, ou comida, ou saneamento básico. O que nos falta é um motivo para entrar na luta.

Nosso povo já é armado, faça o nosso sangue valer, nos dê algo pelo que lutar.

2 comentários:

disse...

Tu me surpreendes e eu adoro. Tu me irritas e eu odeio, mas não consigo te odiar nem por um segundo, mesmo todos dizendo que o ódio é o sentimento mais próximo do amor. E esse eu sei que tenho de sobra.

Carmen disse...

Meu Deus... És realmente minha cara metade, minha alma gemea ...Te amo!!!