sexta-feira, 25 de julho de 2008

Bandeira Branca

Eu sempre parei para pensar nas chances desperdiçadas, mas hoje eu parei para pensar nas segundas chances. Eu sou uma pessoa que com certeza já teve mais do que duas.

A pergunta incessante que me devora a cabeça por inteiro é 'por que eu perco tanto tempo?'. Eu não tenho tanto, não tenho todo o tempo do mundo. Nem tu, nem ninguém. E é isso que me desespera. Não sei se desespero seria a palavra certa, então prefiro 'intimida' ou até mesmo 'preocupa'. Eu perco dias, meses, anos, pensando no que eu poderia estar fazendo, no que eu quero fazer e no que eu quero ser. No que eu quero para a minha vida, nas pessoas que eu quero conhecer, sem me dar conta de que elas vivem suas vidas enquanto eu perco a minha aqui, pensando.

Hoje eu decidi que eu quero ser uma pessoa diferente, quero me ligar a outras coisas, conhecer pessoas, investir na minha cultura, no meu conhecimento.

Quando eu tiver uns setenta anos, quero ter histórias para contar, quero uma vida cheia, um livro colorido, não quero contar aos meus netos e filhos sobre meus amigos de Internet, sobre as coisas que eu planejava. Eu quero crescer.

Crescer não é uma coisa natural da vida, como eu sempre pensei. Aquela história de ser neném, depois criança, adolescente e todas essas coisas, são uma questão de deselvolvimento biológico e, sim, estão fora do nosso alcance acelerá-lo ou impedí-lo, mas crescer mentalmente e ter uma visão madura e responsável do mundo é uma coisa que se escolhe. É assim com tudo! Cada segundo que passa, é uma chance que tu tens de fazer as coisas funcionarem ou falirem. Eu quero fazê-las funcionar, e quero ver o circo pegar fogo, sim. Preciso que as coisas aconteçam, não posso desperdiçar uma vida inteira na frente de um computador, conversando com pessoas 'imaginárias'. Um dia eu posso até me tornar uma delas, e isso seria realmente um problema.

E chegando ao final destas linhas a pergunta se expande: 'por que eu perco tanto tempo tentando ser alguém que eu não sou e nem ao menos quero ser?'.

Nenhum comentário: